Informação


Este blogue foi criado há alguns anos para divulgar a poesia e as artes plásticas dos verdadeiros artistas...Por vezes, coloquei alguns humildes trabalhos meus, mas vou deixar de o fazer, e em defesa da coerência criei um outro blogue, com características pessoais, o qual vos convido desde já a darem uma olhadela em:

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Uma voz


Sou eu, sou eu ainda,
diz uma voz no deserto.
Sou eu, que vos conheço,
eu, que fui folha e agora sou aragem.
Uma palavra sou, entre cinzas e cinzas,
e através da noite
queria brilhar para vós,
para vós, ainda.

Sou eu, que atravessei o turbilhão
e pulso ou sépala
deportada
sou um sinal verde que respira ainda.
Sou ainda uma voz
para dar o alarme
através de...?
Outrora, ou talvez não,
fomos a frescura do sol
a abóbada vegetal
a cintilante escrita o mesmo sopro.
Como poderei ser ainda o livro aberto
sobre o mar
e todas as coisas nuas, os segredos
inacabados e toda a dor da terra?
Sim, eu sou ainda,
a desaparecida, a errante, a sem caminho,
jamais no centro
e que dorme ainda e esquece
mas se confunde com o sobressalto
de algo que acaba de nascer, que nasce.

Sem comentários:

Enviar um comentário