Informação


Este blogue foi criado há alguns anos para divulgar a poesia e as artes plásticas dos verdadeiros artistas...Por vezes, coloquei alguns humildes trabalhos meus, mas vou deixar de o fazer, e em defesa da coerência criei um outro blogue, com características pessoais, o qual vos convido desde já a darem uma olhadela em:

domingo, 15 de julho de 2012

Margens

Não correm veios de luz à minha inquietação.
O som, a mesa, e a página árida
sem eco me pesa.
Sei que na pura margem a mudez salta de vida
e cristaliza o grito no tempo;
sei quando atravesso a tua ponte
e bebo o esquecimento
das mágoas e da miséria do mundo;
sei que depois das nuvens e dos ventos
se esculpirem na palavra,
sombras alegres esvoaçam a paisagem;
sei que o cântico de rios e mares
bebe a solidão em desertos, montes e vales;
sei as águas que se orquestram
quando pelas pedras e grutas do destino passam.
Sei que na margem de cá
quando vestia bibes azuis
e me escorregavam rãs
na ribeira da minha infância,
toda a natureza sorria...
Não precisava de voar, fugir no pensamento,
a quebrar a dor
que a cegueira humana inventou.

Sem comentários:

Enviar um comentário