Informação


Este blogue foi criado há alguns anos para divulgar a poesia e as artes plásticas dos verdadeiros artistas...Por vezes, coloquei alguns humildes trabalhos meus, mas vou deixar de o fazer, e em defesa da coerência criei um outro blogue, com características pessoais, o qual vos convido desde já a darem uma olhadela em:

quinta-feira, 26 de março de 2015

Espera-me como se eu fosse um barco

Espera-me como se eu fosse um barco carregado de névoa
a dissolver horizontes.

O meu corpo é a gávea onde subiram marinheiros, buscadores
de outros céus, descrentes da terra e suas glórias.
...
Não me julgues de velas golpeadas nem de remos quebrados.

Basta-me o vento ou a calmaria.

Repara como envelhecem as traves da vigia.

Só eu não envelheço porque amarrei o tempo a uma escuna
e a mandei vogar sobre o nada a que tu chamas mar.

Eu sou a névoa, eu sou o barco, comigo ficarás.

Se de esperar te cansas, abre a janela e vem, voa, abre as
águas e adormece.

Licínia Quitério in O Livro dos Cansaços
Ilustração: Vasco Barreto.

 

Sem comentários:

Enviar um comentário